All Activity

This stream auto-updates   

  1. Yesterday
  2. Como este tópico se refere ao Sérgio Abreu, vejam que timbre bonito desse exemplar.
  3. Last week
  4. Em princípio confesso que estou muito satisfeito com o meu violão, a corda sol soa muito bem, porém não responde tão bem como as outras cordas do violão. Já toquei em vários violões de autor, uns excelentes outros nem tanto, mas não me recordo de nenhum que a corda sol se destacasse. Alguém já tocou em algum violão com essa qualidade? Ou será que isso é tão intrínseco ao nosso instrumento que o jeito é nos acostumarmos?
  5. Isso mesmo, o format "D" que deixa o braço mais gorducho. Tem gente que gosta. Até onde me consta, é a tradição Torres/Hauser. Violão de aço e guitarra trabalham com braço mais fino, violão clássico demorou pra perceber que isso podia trazer vantagens. O mesmo se aplica a escala ligeiramente abaulada ou curva.
  6. Kkkkkkk. Sou até obrigado a comentar pq fui eu quem lhe marquei no face. Kkkkkk
  7. Você diz, menos em "D" e mais reto na parte do meio, certo? Também prefiro assim. É bem mais confortável nas posições mais avançadas. Mas, a grande maioria dos violões que vejo por ai tem braço em "D" ou com a curvatura, muito ligeiramente, atenuada. Isso é um padrão, digamos, mundial?
  8. Bom dia! Seria doentio comprar??? Pergunto, mas não tenho interesse kkkkk
  9. O Jorge Raphael também é bastante fácil de tocar. Eu prefiro braço mais achatado do que gorducho.
  10. Já peguei em alguns violões dos irmãos Carvalho e não indico cegamente de forma alguma, Peguei em violões da mesma série com muitas diferenças, não senti padronização nenhuma. Só pegaria um se eu testasse antes. Você pode pegar um Carvalho bem melhor ou bem pior que um Rozini, não há segurança. Já testei alguns da Rozini, e acho muito mais padronizados.
  11. Violão vendido. Obrigado a todos
  12. Gostaria de saber se vc tem tarracha 10mm para violão de nylon 7 cordas. Grato
  13. Earlier
  14. Isso é verdade. O problema e´que o nível de complexidade do entretenimento musical é cada vez mais baixo, o que faz com que o jazz, choro, música clássica, fiquem ainda mais distantes dos ouvintes comuns. Há 200 anos entretenimento era (na Europa) Rossini, Puccini, Donizetti... Creio que a falta de espaço da música mais crerebral se dá também devido à escolha de uma meia dúzia de produtores musicais que dominam o mainstream, não simplesmente pelo fato da música ser complexa. Se assim o fosse, a Bossa-nova não teria feito tanto sucesso. Há muita complexidade em "Wave", "Corcovado", e as pessoas adoram escutá-las nas novelas do Manoel Carlos. Moro nos EUA e não há quem não goste de "Fly me to the moon", "My Romance", "Autumn Leaves". Então por que não ouvimos mais músicas novas com princípios semelhantes aos das que citei? Porque a galera que produz esse tipo de música não recebe apoio dos produtores mainstream, que estão somente preocupados em promover as músicas de 4 acordes, estilo "Despacito". Às vezes os produtores dão espaço para uma ou outra Norah Jones da vida. Se há espaço para ela, por que não para mais alguns ou algumas? A impressão que tenho é de que há uma epécie de "ditadura cultural"...
  15. Baixei o preço para R$ 2.000,00
  16. PessoALL. Acabei de concluir um violão de jacarandá indiano e cedro Canadense. Está disponível para pronta entrega. Fotos e especificações no link abaixo: Violão Eduardo para pronta entrega (clique aqui para ver especificações e fotos)
  17. Para além do que disse o [ARROBA]adrianoviolonista, esses violões são mais leves que uma folha de papel. Em outras palavras, é puro laminado e, para completar, extremamente mal feitos. Se você desmanchar um violão desses, vai ver que o Jacarandá Indiano é uma micro folha, serve apenas para estética o resto, que esta em baixo, pode ser qualquer coisa. Por isso é barato. Sinceramente, hoje em dia, acho que acima de $700-800, só vale comprar Rozini (e eles tem uma linha muito grande, até violão de 8 cordas eles estão fazendo). Dependendo do caso, é mais fácil recorrer a modelos de estudo que alguns luthiers tem, como o Polegario e os Irmãos Carvalho, eles giram em torno de $1.000,00 até $2.000,00.
  18. Na verdade não tenho a menor pretensão de ter violão elétrico, não consigo gostar. Apenas me chamou atenção o preço pela descrição, ainda mais com o dólar alto.
  19. Olá Dilson, O violão já vi é razoável, agora está captação não lá essas maravilhas, tem um microfone e um captador de rastilho. O problema é que nem sempre dá pra dar um ganho bom no microfone por causa de feedback. E já várias pessoas terem problema com esta captação, em violões de outras marcas. Acho que se aproveitam do nome Fishman pra vender, a Eagle vende com outro nome clássica blend, mas é mesma presys blend, que é bem baratinha...
  20. Gente, alguém já testou esse modelo para falar a respeito, fiquei curioso como pode ser barato assim com essas especificações. Só um fishman clasica blend com case já custa quase mil reais...rs http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-762431788-violao-eagle-emn880c-nt-_JM
  21. Reviver Baden Powell de Aquino, é respirar ao som de seus acordes temperados; as vezes suaves como na música em questão. Acalanto das nonas é uma brincadeira de variações, em que Baden realça melodias similares, com alguns arrobos euforicos manifestos pelos rasguedos aqui e ali. O próprio Baden tocando-a; mas assim como Segovia, muitos tocam uma coisa e escreviam outra, com variações e diferenças; essa versão dele tem outros instrumentos.
  22. Meu caro, por uma questão de construção, volume e por confiar extremamente no Emanuel Carvalho, eu escolheria o 7S3. Porém, sempre é bom testar os dois.
  23. E acredito que o dinheiro sempre vai estar lá. Hoje a gente chama de entretenimento, antigamente eram outros termos. Estilos musicais que envolvem canto e dança sempre vão ser mais populares, acho que tem a ver com o fato de serem mais orgânicos, sociais e viscerais. Música que é mais cerebral tem um público menor, de gente que estudou música. Veja o caso do Jazz, começou como algo extremamente popular, todo mundo ouvia, dançava, cantava, curtia adoidado. Depois da segunda guerra começou a verter pra algo mais cerebral. E a partir daí passou a ser um estilo identificado como "elitista".
  24. pessoal, abaixei o preço para R$ 2.500,00
  25. Ou seja, a grana continua concentrada no entretenimento. Sinal de que a democratização por si só e o enfraquecimento gradativo da mídia aberta ainda não são suficientes para tornar o meio musical mais justo. Não se recebe para tocar Garoto e e´ possível ficar milionário tocando Michel Teló.
  1. Load more activity