GMorais

BGM - Colaborador
  • Content count

    155
  • Joined

  • Last visited

Community Reputation

0 Neutral

About GMorais

  • Rank
    Member
  • Birthday 01/07/1978

Contact Methods

  • Website URL
    http://
  • ICQ
    0

Profile Information

  • Gender
    Male
  • Location
    Castanhal - PA
  1. Belo trabalho. Tb acompanhando e aprendendo. Obrigado por compartilhar.
  2. Tambem Quero, Abracos, Gilson
  3. Aceitando a proposta do Samuel, que seja uma guitarra romantica. Particularmente, acho-a muito charmosa, e como tem uma construcao mais simples e levara menos material, vamos a ela. Estou com os lados do fundo prontos para colar, depois posto umas fotos. Uma pergunta, no livro do Sloane, onde ele ensina a colar as duas pecas que formarao o tampo e o fundo do violao, manda colar com "clear epoxi cement". Seria a cola tipo "araldite", ou "durepoxi liquida", certo? Sempre vi nos procedimentos descritos que essa colagem se dava com cola amarela. A cola epoxi demora mais a secar, mas tem uma firmeza maior. O que os amigos pensam desta opcao dita pelo Sloane? Grato, Gilson Morais
  4. Olá pessoal, Marcos e Sandro: Vcs tocaram num ponto importante pra mim, por fazerem este primeiro violão usando compensado. Vou retomar meu projeto tb, e minha dúvida era usar o cedro rosa no tampo, que não é o ideal, mas pra testar as ferramentas e aprender, creio que dê um resultado aceitável, inclusive melhor que o compensado. Qual seria a espessura para esse tampo de cedro (cedro do pará)? Força no projeto, Gilson
  5. Boa, Sumi uns tempos, vou voltando aos poucos. Uma beleza o trabalho. Falando em alternativa. O cedro do para', ou cedrella odorata, n~ao e' o indicado para tampo, mas e se fosse feito? Ficaria melhor que um violao de fabrica de tampo laminado? Acredito que sim, mas gostaria de ouvir a opiniao do pessoal. Ah, vou retomar em breve o projeto de construcao tb. Desculpe a acentuacao, nao 'e a reforma ortografica, 'e esse pc desconfigurado aqui do trabalho mesmo. Abracos a todos, Gilson Morais
  6. E que pestana é essa? São dois ossos?
  7. Parabéns Ivan e parabéns ao Eugênio. Neste sorteio, a felicidade de um é a inveja de todos, hehehehehehe. Eu incluso. Damn you!!!!!
  8. Certo que às vezes o luthier se vê obrigado a trasar como nos casos em que a umidade fica acima ou muito abaixo do normal. Ele não vai querer cumprir um prazo e depois de um mês de entregue, receber o violão de volta pra consertar uma rachadura, por exemplo. Tem isso tb, né?
  9. Falou e disse, Edgard. Hehehehe. Ô troço sem jeito...
  10. Felipe, este é de 2005. Comprei do meu professor. Ele foi construído em Santarém na escola de luteria, segundo ele. No selo está assinado pelo aprendiz e pelo Martinez. Ele tem alguns problemas de acabamento, como o verniz muito grosso, alterando muito a cor das madeiras, uma rachadura numa das faixas, disfarçada com verniz, mas sendo da escola de luteria se compreende. No documento consta como sendo o No. 02. A foto do selo: Aliás, já procurei informações na Net sobre o Martinez, seus violões, escola de luteria, e não existe quase nada. Posta umas fotos do seu aí, se puder. Abraços, Gilson
  11. Tenho a leve desconfiança que são Condor, hehehe. Olha as que eu coloquei no meu Martinez: Se meus olhos não enganam, são as mesmas. Mário, quem acertou ganha o quê? Hehehehe Abraços, Gilson
  12. O Per-Olov tem uma interpretação que me agrada muito, não só desta como de outras peças. Ele toca com muito sentimento, a música chega a doer. A Xuei-Fei não pode ser comparada, neste caso, com os outros três, por ser uma gravação em estúdio, que está belíssima, mas até onde foi mixada não dá pra saber. A Ana é um deslumbre só, certo Julian? Tanto estetica qto musicalmente, hehehe... Muito bom. E novamente o John Williams me parece árido nesta peça, impecável, mas árido. E vc Julian, qual sua preferência?
  13. Esquecendo um pouco os exageros do artigo, eu gosto muito do lirismo de intépretes antigos como Segóvia, Bream, etc. Hoje é mais difícil de se ver isso. Não que se deva permanecer no passado, requentando fórmulas, mas talvez os "sprinter" atuais sejam a antítese que nos levará a uma síntese e uma volta de um violão mais lírico, contudo renovado. Um virtuose que, pra mim pelo menos, é uma proposta mais perto desta síntese é Yamashita, estou escutando muito ultimamente seu primeiro cd, Quadros de uma Exposição, onde ele é rápido mas eficiente e preciso, e muito emocionante.
  14. Esta semana façamos algo diferente. Vamos demonstrar a força do intérprete. A idéia é postar dois ou mais vídeos da mesma peça, um que lhe agrada muito e outro que ou lhe desagrada ou não lhe diz nada. Com as devidas explicações, é claro. Aqui vai entrar questões como gosto pessoal, portanto critiquem mas não xinguem a mãe de ninguém. Sejamos civilizados. Começo com a Tonadilla, A Maja de Goya, de Granados. Primeiro Segóvia: Julian Bream: Estefano Grondona: Gosto das duas primeiras, e muito mais da de Segóvia, eloquente, cantante, coração. A de bream é muito boa, mas perde um pouco da eloquência. O terceiro sinto muito árido. Tem mais uma versão que não gosto, mas só vi em áudio, que é a de John Williams, violonista que gosto muito, mas nesta peça soa muito burocrático, árido como a paisagem australiana. PS.: desculpem o atraso esta semana, o tópico deveria começar na quinta. Excepcionalmente desta vez começamos na Sexta.
  15. Tá lindão mesmo, Paulo. Depois dá uma atualizada aí pra gente ver a criança acabada. O que seria mais especificamente esta "construção especial"? Abraços, Gilson