Jump to content

Dr.Pacheco

Members
  • Content Count

    245
  • Joined

  • Last visited

Everything posted by Dr.Pacheco

  1. Vale a pena conferir o texto a seguir. Boa visão e diferente do que se viu ai logo após a morte do João Gilberto. Um Eslavosamba de João Gilberto: o mostra-esconde da canção
  2. Dilson, esses instrumentos usam cordas "normais" (de violão) ou usam cordas específicas?
  3. Dilson, o primeiro link está quebrado. Porém, na mesma página, existe um outro link para a partitura. Esse segundo tá funcionando. Vou deixar aqui em baixo e anexar a partitura aqui no fórum (já fiz o download no mesmo link que está aqui em baixo), acaso alguém queira baixar. https://www.academia.edu/10196194/Lamento_Sertanejo_-_Dominguinhos_Gil_-_Arr._Colombo_Partitura_ Lamento_Sertanejo_-_Dominguinhos_Gil_-_A.pdf
  4. Fiquei espantado quando li, hoje de manhã, no jornal a nota de falecimento do Arthur Maia. O cara era super novo, apenas 56 anos. Morreu vitima de uma parada cardíaca. Uma grande perda para o baixo e, principalmente, para a música brasileira. https://odia.ig.com.br/rio-de-janeiro/2018/12/5602931-morre-o-baixista-arthur-maia-aos-56-anos-em-niteroi.html
  5. Pessoal, andei pensando aqui com meus botões: o uso constante de palheta em cordas de náilon provoca muito desgaste nas cordas? Raramente uso palheta em violão de náilon, até um tempo atrás tinha um violão folk da marca Seizi, nele, sim, eu usava bastante palheta. Mas, quem usa constantemente, reparou algum desgaste maior das cordas de náilon? Valeu.
  6. Entre as marcas mais famosas, a D'Addario e a Hannabach vendem a sétima corda. D'Addario tem bastante gente que usa, o [ARROBA]Eugenio mesmo, se não estou enganado, gosta da D'Addario. Entre as marcas mais baratas, Giannini, Rouxinol e NIG tem a sétima também.
  7. Muito legal, adorei a composição. Agora, sempre tenho curiosidade ?, qual violão tá usando na gravação? Também gostei bastante de Baiãofusão, até vi, esses dias para trás, que saiu sua gravação lá no canal do Nelson Faria (Um Café Lá em Casa), muito legal também!
  8. Já tem mais de um ano que, de vez em quando, saiu uma matéria nesse teor sobre o João Gilberto. Ao que tudo indica, aproveitaram (algum ou alguns) da situação e da grana dele até quando deu. Uma hora a coisa estourou. Desde quando surgiram, no ano passado, essas notícias já ficava claro a briga familiar que tava rolando. A impressão que fica, para quem tá de fora, é essa. Mas, é triste ver um ícone da música brasileira nessa situação toda.
  9. Tenho a mesma dúvida do Dilson, dei uma olhada no google e não achei nada. Mesmo sobre o lançamento.
  10. Apenas por curiosidade, qual instrumento você quer vender?
  11. Tente entrar em contato com o Samuel da Guitanda: http://www.guitanda.com.br/contacts/
  12. Gente, tava organizando minhas músicas aqui, e achei o a gravação desse arranjo sensacional do Renato (que por esperteza, salvei no pc para poder escutar depois. Até porque, esses links sempre expiram com o tempo). [ARROBA]rcandro e o esquema de passar o arranjo, ainda tá rolando? Valeu!
  13. Exato. Os textos dele (Serio Cabral) são mais uma exaltação que uma tentativa de compreensão. Em vários momentos, meio memória. Mas, tem alguns livros dele que são interessantes. Mas, na minha opinião, todos são apenas introdutórios.
  14. Já tive um livro dele sobre o Nelson Sargento. É historiador de formação (se não estou enganado), escreve bem também. Não conhecia esse. Só achei o preço um pouco salgado. Ele tem vários livros abordando a música popular brasileira. Em especial, o samba. De modo geral, o pessoal fala bem. É uma linguagem mais "simples", não são textos acadêmicos.
  15. Dilson, já li aquela famosa do Sergio Cabral. Confesso que não achei "grandes coisas". Tem um viés cronológico bem feito, mas é bem simples mesmo. Se quiser como algo introdutório eu recomendo. É curto também, coisa de cento e poucas páginas. Até semana passada, tinha um exemplar. Acabei doando. Sugiro olhar os sites do MIS e do IMS. Lá sempre tem alguma coisa. Agora, com exceção dessa super famosa do Sergio Cabral, não conheço nenhuma outra que tenha ganhado destaque. Se alguém souber também me interesso por recomendações.
  16. O problema de Desvairada, é a capacidade "automática" que a música tem em esbanjar um virtuosismo por parte do interprete. Pouca gente consegue se conter. Uma boa versão, é aquela do Marco Pereira no disco Valsas Brasileiras.
  17. Muito bom! Principalmente o andamento. Não sei porque, muita gente adora uma correria doida nessa música.
  18. Eita, não tinha visto isso ainda. Tem uma boa grana em instrumentos na lista, hein! Segundo a matéria: "Disseram que queriam o carro só para assaltar. Jogaram ele dentro do carro e ainda andaram um pedaço, dizendo que iam matar, depois o largaram no meio do mato." (sobre o roubo e o motorista do veículo). Ou seja, foi meio aleatório, ao que parece, não sabiam o que tinha dentro do carro. Mesmo assim, não deixa de ser bizarro. Uma pena... Lembro de uma história que um professor de percepção que tive me contou. Um flautista, amigo dele, tinha tomado umas e foi para o ponto de ônibus com a flauta (uma flauta de uns 7 mil reais ou mais). Na hora de entrar, esqueceu a flauta no banco do ponto de ônibus, muito menos de 1 min depois ele voltou lá e cadê a flauta? Já era. Roubaram. Na hora que ele saiu do ponto, que subiu no ônibus, não tinha NINGUÉM lá. E, como no caso das coisas do show do Caetano, provavelmente, quem pegou não tinha a menor ideia do valor daquilo.
  19. Em São Paulo, capital. tem o Antonio Tessarin, Carlos Novaes e o Samuel Carvalho, na capital tem bastante gente.
  20. Você esta em qual cidade? Se soubermos, fica mais fácil indicar um luthier para você.
  21. E ai pessoal, chegado o fim de 2017, como avaliam o ano de vocês em relação ao violão, estudo de peças, de técnica de aquisição de novos instrumentos e acessórios etc? Meu ano não foi dos melhores. Embora tenha conseguido tocar um tempo razoável, não consegui aprender algumas peças que queria (Julia Florida, Duas Contas, o Prelúdio 3 do Villa, dois estudos do sor e a super pedreira do Penezzi que é o excelente arranjo de Vou Vivendo) e nem resolver alguns problemas técnicos que tenho. Como foi muito corrido, por causa do meu mestrado, não consegui voltar a fazer aulas, infelizmente. E vocês, como avaliam seus anos violonísticos.
  22. Gente, consegui uma super promoção em um Semi Case da Vulcan, modelo Urban. Eles tem duas linhas a Urban (mais simples) e a Trip (que como o nome indica, eles recomendam para uso cotidiano da vida do musico, por assim dizer). Comprei pela internet, me pareceu de muito boa construção, o [ARROBA]Dilson já havia mencionado isso uns posts acima. Não é muito grande e, uma das coisas que me fez escolher a Vulcan, é o número de compartimentos que os semi cases deles tem. Eu vou conseguir juntar toda a bagunça (diapasão, boss tu-80, cordas, e até algumas partituras) dentro do próprio semi case. Isso para mim é bom, que libero um pouquinho de espaço aqui. Assim que chegar vou tentar postar uma fotos e minhas impressões. Obs: Eugenio, porque a opção de citar a pessoa, usando o arroba antes do nome, ao invés de apenas citar, coloca também o arroba entre colchetes? Isso é um bug do fórum?
  23. Ai, sim, canduta. Música no Spotify hoje em dia é uma mão na roda para quem quer divulgação.
  24. Não existe madeira que vem pronta. A questão do cedro é que, a partir de certo momento, ela não desenvolve como o pinho. Ou seja, por questões da própria madeira, ela atinge um nível que, praticamente, não tem mais desenvolvimento. Ao contrário, o pinho tem potencial para desenvolver muito ao longo dos anos. O cedro chega ao, digamos, "limite" desenvolvimento muito rápido. Em relação ao som. É normal. Quando se toca pela primeira vez, o som fica meio "fanho" mesmo. Vai tocando que o som do instrumento vai abrindo.
×
×
  • Create New...