Jump to content

CarlosEdu

Members
  • Content count

    1,008
  • Joined

  • Last visited

Community Reputation

0 Neutral

About CarlosEdu

  • Rank
    Old Member

Profile Information

  • Gender
    Male
  • Location
    Salvador/Bahia
  • Interests
    Music
  1. Olá prezados, conversando com um amigo pessoal Marcos Dutra, sobre literaturas, enviei as fotos do que temos lido nesses ultimos 10 anos; e surgiu também a ideia da troca de informações aqui, curiosidade em *Saber o que estão lendo nesses últimos anos? Leituras indispensáveis? Onde compraram? Cataloguei as fotos que mandei pra ele(nosso material) em video com Segovia ao fundo musical tocando Guitarreo(C. Pedrell); mas não precisa ser video, podem postar escrito... Material Não Citado no video; e que precisaria mexer em velharias, desarrumar muita coisa: Somaria aos expostos um sem numero de dissertações tais como as de: *Dagma Eid; Fabiano Borges, Edelton Gloeden, Alisson Alipio, Thiago Colombo, Cyro Delvizio, Sidney Molina, Gilson Antunes "O Violão nos Programas de Pós-Graduação e na sala de aula: amostragem e possibilidades", esse trabalho impar do Gilson, abriu a mente para tantos bons trabalhos escritos no Brasil e que devem ser lido com calma e respeito; alem dessa tem Marcelo Brazil sobre Baden Powell e tantas outras sobre Choros, música brasileira etc , artigos (variados do Daniel Wolff; Zanon "O Violão Brasileiro depois de Villa Lobos"; "Forma e Estrutura na Musica Ocidental", "165 Conselhos de David Russell" e muitos outros; um sem numero sobre Baden Powell de Aquino), PDFs, outros livros memoráveis como "O Discurso dos Sons", "História do Violão/Norton Dudeque", "História da Música Ocidental", "Pequena História da Música", "Don Segovia Y Paquita", etc. Um Feliz 2018 a todos...
  2. Como foi seu ano violonistico de 2017?

    Valeu Genio, legal. Vale gravar para nós apreciarmos ano que vem com calma!
  3. Choro de Natal

    Feliz Natal que o verdadeiro sentido do natal encha cada lá de paz, saúde, harmonia familiar, fé, esperança!!!
  4. Como foi seu ano violonistico de 2017?

    Ouvi a maioria de primeira mão, sensacionais e precisam ir a CD em sua maioria. Chega de Saudade tem de virar video urgente. Bye bye Brasil; aquela Dança Paraguaya de Barrios e os nacionais!!!
  5. Como foi seu ano violonistico de 2017?

    Fiquei curioso?
  6. Como foi seu ano violonistico de 2017?

    Ano totalmente proveitoso; não gravei tudo que queria, mas no ano de homenagem aos 80 anos de Baden sairam: *Introdução ao Poema dos Olhos da Amada *Acalanto das Nonas *Primeiro Amor (Patapio), arranjo próprio em total homenagem ao LP de Baden "Rio das Valsas/Violão em Seresta" Villa não ficou de fora: Preludio 3 e Modinha (Seresta 5) Dilermando: *Noite de Lua E Arr. para "Edelweiss" (filme a noviça rebelde 1965). A chegada do violão Alhambra em Jacarandá do qual namorava a anos o som pelo Rafael Aguirre... Cuidemos bem de nosso tempo, pois é dele que a vida é feita...
  7. Choro de Natal

    Sempre Yamandu, inspiração a toda prova!
  8. Eu também Eugenio, venho acompanhando cada arranjo do Rafael e sua simplicidade; com arranjos meteoricos. Um amigo pessoal queria alguem que pudesse pegar de um video a gravação exata de Bach e transcrevesse "ipsis literis/literalmente", indiquei o Rafael e o amigo me respondeu em MP que camarada excepcional essa tua indicação... A Dissertação super aguardada. Quero ler o trabalho da Elodie também que tem haver com a relação popular e classica do violão. Se pensarmos que Desde o Savio criou-se uma metodologia satisfatoria, daí depois o Atilio Bernardini e com as transcrições que o Ivan Paschoito fez de Dilermando, Chico Buarque e outros, e depois os geniais Bellinati e Ulisses criando peças bem fundamentadas para o popular alem de estudos; a incomensurável exposição e criação do Marco Pereira, o fato de se poder estudar e catalogar as coisas do Baden como o fez o Marcello Brazil(dissertação), o Alain Guimarães em livro e a Domenique D. em biografia; não se pode esconder amem ou deixe o trabalho colossal do Turibio em resgatar João Pernambuco; Ernesto Nazareth, despontar o baiano Nicanor Teixeira. O que ainda se pode estudar e aprender do Nonato Luiz; acho que o proprio Emanuel Nunes lançou um livro certo? Ouço falar a anos do Pedro Cameron que tem estudos assim; ou seja, existe uma metodologia em mãos. Ano passado violonista Luciano Lima editou, arranjou e lançou 75 cirandas do Villa ou foram 70 para violão solo. Então, a muito material que devo desconhecer, mas pelos citados já ah o que se usar. Li o livro do Rogerio Caetano assessorado pelo Marco Pereira, "7 cordas", e por aí vai. Então realmente acho que falta um pouco de interesse. A música popular brasileira isso inclui todos os citados de Baden a Raphael, de Yamandu a outros sempre foi pensada também pelo lado boemio, as bebidas etc. E aí novamente concordo com o Eugenio podem não considerar essas riquezas musica seria, que pena. O Flamenco é cultuado em seu país; a música peruana também.
  9. Topico pertinente. Verdade o Rafael se sobressai a cada arranjo. Bom no nosso caso Marcos aqui em Salavador-Ba, acho a coisa ainda mais limitada; por termos apenas 2 referencias academicas musical: *A UFBA cujo o foco essencial do violão é o violão clássico, mas com muitos aspirantes ao popular por amor e dedicação secundaria. *UCSAL (Universidade Catolica de Salvador), que sim, trabalha bastante os choros brasileiros e tem em seu bojo o excelente Chenaud que faz parceria com o dr Robson Barreto (UFBA) no choros uirapuru... Como tb o excelente Filipe Rebouças que pelo que sei tem feito um ótimo trabalho. *A FACESA (Faculdade Evangelica de Salvador) que era o único curso em paralelo onde me formei Licenciado em Musica e tive oportunidade de estudar com Vladimir Bomfim; embora tendo em seu quadro na maioria professores mestrandos e doutores da UFBA como Ekaterina Konopleva, Eudes Cunha, a propria coordenadora etc; fechou lamentavelmente depois de 11 anos de trabalho e formandos. A outra universidade publica que é a UNEB (universidade do Estado da Bahia), não possui musica em seu bojo. Em conversa privada com o amigo Marcos Cesar fui informado do curso de musica na UNEB, mas pesquisando aqui é algo ainda novo, e EAD: https://portal.uneb.br/noticias/2017/08/04/uneb-e-neojiba-lancam-curso-de-licenciatura-em-musica/ que ainda estreará em 2018.1, mas já é um passo importante. Essas estatisticas nos deixam sem muita opção nesse aspecto, e olhe o paralelo do que disse o amigo Rafael que é preciso uma vivencia especifica, então tocar uma peça ou outra não faz de ninguem especialista capacitado a ensinar esse estilo desbravado por Garoto, Dilermando, levado ao apice por Baden, Bellinati, Pereira, Raphael Rabello e agora Yamandu que é essencialmente prático. Quis expor o quadro do violão na Bahia, pois acompanho e comento a anos com amigos de outros Estados como Edson Lopes, Gilson Antunes, o próprio Zanon dessa carencia... E para um passo de cada vez essa incersão do violão popular solista aqui seria ainda mais gritante. Falando do tópico e de estarmos no século XXI chega ser ofensivo o país que tem um Garoto em seu nascituro; que produziu um Baden Powell (que gravou nada menos que 75 LPs/Cds e era aclamando no mundo em sua época, Japão, França, Alemanhã e EUA vibravam a suas cordas); depois tivemos o mais jovem e igualmente genial Raphael Rabello discipulo não por conscidencia do mesmo mestre Meira); um país que teve um Dilermando, um Laurindo Almeida, Luiz Bonfá, e não conserguirmos manter esse violão na ponta da essencia do ensino academico, ou eles foram personagens mitologicos, ou alguma coisa continua errado na forma de considerarmos a musica sem fronteira como diz o Yamandu; acho interessante a ponte que meu amigo Fabiano Borges faz entre o classico e o popular com igual respeito; um Marco Pereira essencialmente classico em sua formação (desde o seu prof Savio a seu mestrado em Paris), mas que na forma de compor é um gigante do violão brasileiro. Um país que tem um Marcello Gonçalves, um Yamandu(ser mitologico/lendário e a ser analisado "intelectual e musicalmente"), um país que tem um Hamilton de Holanda, que de quebra tem uma força da natureza como Alessandro Penezzi, e não deixa falta um Rogerio Caetano e mesmo assim, não tem esse tipo de violão na ponta, sim, é um país preconceituoso academicamente e que precisa crescer. Quando o duo Assad começaram diz a história que eram duramente criticado por fazerem Scarlatti com excelencia, mas não abandonar Ernesto Nazareth e outras bravuras brasileiras e latinas; quem são eles hoje, o maior duo de violão de todos os tempos; há quem diga que são outros, mais os Assad são 40 anos initerruptos de bravura de violão brasileiro a clássico eles são os maiores nomes no mundo. Em fim, é pano pra muita manga, e muitos retalhos me vem a cabeça. Tenho a aclamar o trabalho do pianista e maestro Ricardo Castro com o NEOJIBÁ projeto que completou 10 anos, em entrevistas na Concha Acustica anos atrás vi ele expor principais ideias; e mesmo sendo um dos maiores pianistas na Suecia, mas de origem baiana(Vitoria da Conquista), ele sendo essencialmente classico de formação e conquistas, tem cada vez mais inserido o nosso repertorio com brilhantismo no trabalho orquestral. Abs!
  10. Marinera Peruana e Homenagem ao Raúl García Zárate

    És um dos maiores especialista brasileiro nesse repertório Latino Americano meu amigo; lado a lado com Yamandu.
  11. Cada vez melhor; imperdivel mesmo; voces e o guitar coop tem nos feito um favor incomensurável. Bravos Fernando, Heder e todos os envolvidos.
  12. Obrigado meu amigo e grande instrumentista; ver teus arranjos sofisticados como Chega de Saudade, Bye, bye Brasil, Eu só quero um Xodó, todos de antemão, são pura inspiração para mim. Abs!!!
  13. Valeu por assisti Eugenio; gravar é uma ginastica olímpica meu rapaz, (ou mais, pois essa ocorre a cada 4 anos; gravação não). Bom, na verdade, depois de pronto o arranjo e sempre com o metrônomo, ficou no andamento almejado... Sendo gravação ao vivo com uso de microfone e câmera, talvez não tenha as vezes aquela impressão de estúdio; (ontem peguei outro microfone profissional, além do que já uso; para gravação de outra peça de Villa); mas o caráter, esperado está aí... Além do Baden(motivo da gravação), a versões para duo mui lindas: Edson Lopes e Roberto; Duo Siqueira Lima; Duo Assad; e outras formações; gostei do que vc enviou por MP do Oswaldo Montenegro com bandolinista. Abs!
  14. Yamandu - Sensacional!!!

    22/10/2017
×