Jump to content
Julian J. Ludwig

Fotos de Violão - Roberto Gomes

Recommended Posts

voltaraoindice903.jpg==============================================================================

www.gomes.guitars.nom.br

Ai vão algumas fotos do Roberto Gomes. Eu infelizmente só achei essas.

Se alguém tiver outras fotos desses belíssimos instrumentos, por favor compartilhe!

Réplica de Torres:

torres1um5.jpg

torres2ou0.jpg

torres3hx4.jpg

torres5bc8.jpg

torres4sk7.jpg

torres7iu4.jpg

torres8ml9.jpg

torres9ps1.jpg

torres10an3.jpg

Share this post


Link to post
Share on other sites

Modelo em Pinus:

"Finalmente pude construir o primeiro protótipo de um Spiritus XXI em Pinus ( Pinus elliottii ). Dada a péssima propriedade de envergar coníferas com calor, tive que usar laminados desta espécie e criar uma forma macho/ fêmea, para as laterais, coisa que não usava há mais de 20 anos e também foi uma dificuldade para encontrar laminados desta espécie e depois de quase 2 meses de procura encontrei numa madeireira em São Paulo - SP. Estes laminados são de 0.9mm e fiz as laterais em 3 camadas ( 2.7mm ) sendo que as externas e internas, longitudinais e, a do o miolo, tranversal para assim criar alguma estrutura e, ficaram bem razoáveis se bem que estou considerando fazê-las mais grossas com 5 lâminas ( 4.5mm ) em vez de 3. Estou considerando a técnica de madeira comprimida para este fim como também considero, usando esta mesma técnica, fazer um fundo " tradicional " para um protótipo de um Spiritus XX."

projetopspiritus_01.jpg

projetopspiritus_02.jpg

projetopspiritus_020.jpg

projetopspiritus_15.jpg

projetopspiritus_03.jpg

projetopspiritus_13.jpg

projetopspiritus_05.jpg

projetopspiritus_18.jpg

Share this post


Link to post
Share on other sites

O Projeto Spiritus:

Em 2001, quando já morando em Santa Catarina, tive uma namorada que é espírita e um dia ela me chega e diz que na noite anterior estivera conversando com um luthier. Achei estranho pois nesta época não tinha nenhum outro luthier de violões na Grande Florianópolis e aí disse-me que foi no plano espiritual. Olha, não acredito em bruxas mas que elas existem, existem então, começei a ler as 6 ou sete folhas de papel que a moça havia escrito durante essa conversa e aparentemente não havia nada de revelador, pelo contrário, umas coisas que pareciam que não funcionariam mas, tinha diagramas e desenhos de violão que me surpreenderam pois ela não entendia bulhufas de violão/lutheria nem era desenhista exímia. Fiquei com os papéis e fui analisando-os nas semanas seguintes uma única coisa que chamava muito a atenção era que o salto interno era totalmente diferente de qualquer coisa que havia visto. Era apoiado em sapatas longitudinais sobre uma tranversal e pelo o que o luthier do além havia lhe falado o fundo tinha que ser grosso algo em torno de 9mm ! Deixei passar uns meses e aí como já andava de saco cheio da lutheria resolvi por em prática algumas idéias deste escrito e o primeiro violão ( ainda com fundo/escala normais ) tinha uma estrutura em círculos !

projetospiritus_01.jpg

projetospiritus_02.jpg

E soava muito bem equilibrado, com um som gordo, doce e potente, expontaneamente batizei este experimento de "Spiritus". Apesar da estrutura circular funcionar, era uma grande consumidora de madeiras pois quase se gastava um outro tampo para executá-la além da trabalheira toda resolvi mudar radicalmente o conceito fazendo algo de execução mais funcional com varetas longitudinais para evitar o colapso do tampo e algumas transversais para direcionar os tipos de frequências que almejava como também a idéia de torção controlada na área do cavalete transversais na área do cavelete e...

projetospiritus_020.jpg

projetospiritus_15.jpg

Share this post


Link to post
Share on other sites

.finalmente fiz o fundo grosso com sapatas com 9mm em Cedro do Oregon ( Thuya plicata ).

projetospiritus_03.jpg

Foi um desafio de engenharia lutherística mas, extremamente excitante e, depois que já havia uma boa película de goma-laca no intrumento, coloquei as cordas e, quase chorei de decepção ! Estava muito chôcho, o som e a tensão das cordas, mais do que o normal para um violão recém acabado ! Fiquei p... da vida e saí do atelier pisando duro. Horas mais tarde voltei lá para subir a afinação das cordas novas e não acreditei no som, era, outra coisa, as cordas estavam numa firmeza boa e o som era rico, equilibrado com corpo de nota a nota e, potente, tanto que uns dias depois alguns violonistas foram me visitar e não acreditaram no que ouviram, achavam que estava amplificado pois tinha muito mais som do que um bom violão normal.

projetospiritus_04.jpg

O negócio da escala levantada é ótimo para tocar nas oitavas além da inclinação tirar mais energia do tampo e este primeiro Spiritus pleno acho que ainda está com o Zanon. A partir daí este modelo com fundo experimental passou a se chamar Spiritus XXI e o com fundo normal Spiritus XX. Fiz uns 15, 20 violões Spiritus, tem um até na Nova Zelândia ! " ( Parte da entrevista concedida ao site www.polemicos.com.br/entrevistas/ )

projetospiritus_05.jpg

É interessante notar que com o aumento do peso, da massa salto/fundo as fundamentais ficaram mais sólidas e com o fundo em Cedro do Oregon com harmônicos simpáticos dos mais variados mesmo nas notas " vazias " do violão como Eb, F, Bb, etc. e já com o fundo em Macacaúba um pouco mais sêco mas mais firme, mais viril.

Já com outros tipos de estruturas...

projetospiritus_06.jpg

consegui um tampo com flutuação e sonoridade mais homogênea funcionando muito bem principalmente em abeto com o fundo normal do Spiritus XX.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Fonte: http://www.polemicos.com.br/entrevistas/roberto_gomes.php

ENTREVISTA: Roberto Gomes

por Alvaro Henrique

Roberto GomesEspírito cigano, consciência ecológica, senso crítico e, principalmente, um grande luthier. Roberto Gomes decidiu se aposentar a poucos meses, após construir mais de duzentos violões e de ter instrumentos em vários estados brasileiros, Japão, Nova Zelândia, EUA, e outros países. Nessa longa entrevista tentamos mostrar a trajetória desse construtor de violões desde seu contato com o instrumento até sua aposentadoria.

Gostaria de começar falando sobre sua vida antes de se tornar o luthier Roberto Gomes. Como e quando começou seu interesse por música e, mais especificamente, pelo violão?

No Natal de 1971 ganhei meu primeiro violão, que era um modelo folk da Gianinni, uma bela porcaria, mas lindo e na época gostava de tocar Beatles, Stones etc. mas também já gostava dos clássicos, Villa-Lobos, Bach, Beethoven, etc. Antes de ganhar este violão tinha um Di Giorgio emprestado por um amigo que me ensinava algumas músicas, então o violão foi de cara meu primeiro instrumento musical. Anos mais tarde flertei com o piano e a viola de arco.

E como foi sua história como violonista? Aonde você estudou? Você fez curso em alguma universidade ou conservatório?

Também nesta época tive aulas na Academia do Prof. Antero Martins que me deu uma noção inical de música, de violão e, garotão, queria mesmo era tocar rock, jazz e toquei numa banda de baile chamada Instante 1. Nunca fiz uma universidade tradicional, mas a Universidade da Vida que é a grande escola prática mas, fiz cursos breves e aulas particulares. Em 1975, morando em Salvador - BA estudei durante um ano no então Instituto de Música da PUCBa. Paralelamente a isso trabalhei com o grande Walter Smetak na UFBa onde tínhamos um sexteto de violões microtonais, foi uma experiência incrível! Em 1977 toquei violão e guitarra com o Eduardo Dusek e fizemos shows no Rio e em São Paulo e, apesar do dinheiro ser bem fraco, nos divertíamos muito, cercados de tietes. E aí em 1978/79 morei em Madrid onde consegui ter aulas com D. Áureo Herrero que tinha sido aluno do Segóvia na década de 30. D. Áureo era bem velhinho na época e consegui ter aulas com ele graças ao Marcus Llerena, que era seu aluno dileto, e as aulas com D. Áureo eram ótimas pois ele me ensinou, além do violão, Música mesmo, tinha que solfejar nas claves de Sol, Dó e Fá! E quando voltei ao Brasil em meados de 79 tive algumas aulas com o Henrique Pinto que é um excelente pedagogo, um dos ícones do violão erudito brasileiro.

E após estudos em São Paulo, Salvador, Madri, como você avalia o violonista / concertista Roberto Gomes?

Olha, nunca fui um virtuoso mas tocava bem peças medianas e me orgulho da minha leitura à primeira vista que é boa até hoje, apesar de técnicamente estar bem fora de forma. Fiz alguns recitais até com um alaúde, que foi o primeiro instrumento que fiz, apesar de ser um kit. Sempre gostei de música antiga, os espanhóis, Dowland e tal e é outra coisa tocar este tipo de repertório numa cópia de instrumento da época, outra coisa. Quando em 1981 fui morar em São João del Rey, passei a lecionar no Conservatório daquela cidade mineira e durante uns 4 anos fiz muita música de câmara, pois havia uma pequena Camerata lá que não era de todo ruim, então os Concertos em Ré e Lá do Vivaldi eram peças importantes no repertório e gostava também de fazer o contínuo com alaúde nos Concerti Grosso de Häendel.

E quando começou o interesse pela luteria?

Roberto GomesNa Bahia trabalhando com o Smetak, grande ser iluminado, que fez mais de 120 instrumentos originais, e também ia muito na Casa Del Vecchio em São Paulo onde via os empregados trabalhando e ficava fascinado com tudo, o cheiro das madeiras, colas e vernizes. Mas foi morando em Madrid que o bicho da lutheria me picou pois conheci as feras da Escuela de Madrid, mas fiquei amigo mesmo do Vicente Camacho que fora aprendiz do Modesto Borreguero, que por seu lado trabalhou com o Manuel Ramirez e como tinha que tocar no metrô para incrementar a bufunfa do mês, acabei comprando um violão de corda de aço, um Epiphone bem vagabundo, no qual tirei o fundo, aparei as laterais para torná-lo menos profundo já que os baixos predominavam e o resultado ficou bem interessante.

Como foi sua formação para se tornar luthier?

Auto-didata e tinha um único livro sobre lutheria do violão, o do Irving Sloane que era limitado, mas ajudou muito. Claro que os contatos com luthiers profissionais na Espanha também ajudaram e no começo tive contato com o Suguiyama que me vendeu algumas madeiras pois na época não se encontrava aqui madeiras importadas e era uma dificuldade para comprá-las no exterior, mas mesmo assim, não fui aprendiz de ninguém a não ser de mim mesmo, praticando a grande escola do erro e do acerto, então aprendi a lutheria ao longo do trabalho e talvez seja esta uma das razões em que me preocupei em transmitir conhecimento ensinando o ofício.

A partir de quando o luthier Roberto Gomes começou a ficar mais famoso que o violonista Roberto Gomes?

(Risos) O violonista Roberto Gomes nunca foi famoso, talvez o compositor viesse a ser "famoso" pois, de 1978 a 1983, 84 compus algumas coisinhas interessantes e adorava fazer arranjos para tocar com a Camerata do Conservatório de S.J. del Rey. A vida do violonista erudito é solitária por natureza e tocar com outros sempre me foi prazeiroso, com flauta, violino, trios, quartetos, etc. Já o luthier que trabalha sériamente e mostra resultados, qualidade, naturalmente acaba se destacando.

Como era seu trabalho antes das suas oficinas de São João del Rey? Aonde você trabalhava?

Apesar de ser paulistano saí de SP com 18 anos e nunca mais morei lá por grandes períodos, não gosto de cidades grandes, ainda mais as brasileiras que só foram piorando na qualidade de vida, então foram 5 anos na Bahia, 1 em São Lourenço - MG, 1 na Espanha, 1 no Rio, 14 em Minas, 2 nos EUA, um ano e meio em São Luiz do Maranhão e 6 em Santa Catarina! Do jeito que ia acabaria comprando um caminhãozinho para fazer um Luthiermóvel! Em 1982 fiz aquele alaúde a partir de um kit inglês e em 1984 vendi meu José Ramirez 1980 Clase 1a que mais o alaúde me deram US$ 2.000,00 e com essa grana comprei algumas máquinas usadas, ferramentas, madeiras e aluguei... um ex-consultório de dentista para montar o primeiro atelierzinho mas, nem um ano depois, mudei-me para uma casa no subúrbio da cidade que tinha um galpão nos fundos onde instalei-me bem mais a contento e, posteriormente, a sala da casa virou o atelier e o galpão depósito para as madeiras e máquinas. Fiquei nesta propriedade por uns 10 anos.

E como foi o projeto das oficinas de luteria de São João del Rey? Como surgiu? Como se deu o processo? Hoje, quais frutos você vê que aquele trabalho deram?

Luthier de Terceiro Mundo, em geral, é duro. Dizia-se em Madrid em 1920 que um luthier de guitarras não morria num hospital público pois não tinha dinheiro para pegar o ônibus para chegar lá!!! Em 1988 as duas faculdades particulares locais foram integradas para formarem uma fundação universitária federal, então aproveitei a oportunidade e fui sugerir ao novo reitor que eles montassem uma oficina onde eu pudesse usar boas máquinas e em troca faria reparos nos instrumentos das orquestras locais. Na época o Rogério Godoy era pró-reitor e, pessoa culta e sensível que é, sugeriu que montássemos uma oficina-escola, idéia que achei muito interessante já que também seria remunerado (ainda que + ou -) e sem dúvida engordaria os parcos lucros que tinha com meus violões. Também na época o secretário-geral do MinC era um mineiro, o Ângelo Oswaldo, e mandamos um dossiê sobre meu trabalho e parece que o pessoal lá do MinC ficou entusiasmado com o projeto e em menos de um ano de trâmites burrocráticos foi liberado US$50.000,00 para o projeto e mais quase um ano para reformar uma área de 150m2 num dos campus da Universidade, aquisição do maquinário e ferramental mais as madeiras. Eu nunca tinha trabalhado a fundo com a coisa pública e fiquei estarrecido com a lentidão da burrocracia e a ineficiência dos funcionários, cheguei a me arrepender de ter começado tudo aquilo, mas quase que estóicamente, aguentei e em Março de 1989 iniciava assim o curso de lutheria do violão com uma turma de 8 alunos, sendo que 1 aluna. Tinha 2 assistentes, o Benigno de Paula e o José João do Nascimento, este último havia feito o curso de lutheria de violinos da FUNARTE em Quintino no Rio e os primeiros meses de aula começaram bem apesar da ciumeira que a Oficina/Escola de Lutheria do Violão gerou na Universidade. Éramos uma novidade e a mídia local e até nacional vinha nos entrevistar deixando os professores de Psicologia, Administração, Economia, etc. se mordendo de inveja!!! Quanto a frutos não sei o que deram pois, como disse, perdi o contato mas, pelo menos hoje as pessoas de lá não mais confundem lutheria com loteria!!!

Por quê seu trabalho em São João del Rey acabou?

O MinC bancou a instalação do projeto mas era a Fundação Banco do Brasil que pagaria nossos salários e aí entrou aquele merda do Collor que castrou qualquer atividade cultural bancada pelo Estado, inclusive nossa escola. Fiquei sem receber durante 3 meses mas mesmo assim dei aulas para os alunos em consideração aos próprios, já que tinha gente que havia se mudado para lá para estudar e quando vi que estava uma politicagem nojenta pulei fora e fui cuidar da minha vida, dos meus violões. Os caras eram maquiavélicos pois acabaram pegando o José João que, por um salário bem menor, foi encarregado de tocar o curso, mas o pior é que o cara não havia feito ainda nenhum violão e fez alguns violinos mais ou menos. Fiquei desgostoso com o mesmo pois eu o havia selecionado e o cara virou a casaca e, essas e outras, acabei nunca mais voltando lá. Anos depois soube que o cara havia morrido de câncer. Não mexam comigo! (risos)

Com o fim dessa etapa, como passou a ser seu trabalho? Que modelos você construía? Aonde era sua oficina?

Fiquei em S.J. del Rey até começos de 1996. Na época eu construía uns 8 tipos de violões e similares como a vihuela e a guitarra romântica, 7, 8 e 10 cordas, Fundo Duplo, viola, etc. Desde 1992, em comemoração ao centenário de morte de D. Antônio de Torres Jurado, começei a fazer réplicas de violões deste grande mestre espanhol e curiosamente foi um dos meus modelos de maior sucesso tanto que o Shiro Arai (maior negociantes de violões clássicos de qualidade do Japão) ficou encantado com um que viu com um cliente meu que estava estudando na Europa e começou a me encomendar regularmente este modelo. Já nesta época achava que o design do violão clássico tradicional era limitado para se conseguir uma maior amplitude de som e com algumas variantes este sistema não tinha futuro, só passado glorioso. Quebrando a cabeça e achando que por mais que se conseguisse uma estrutura de tampo que gerasse potência, esta ainda seria limitada então passei a investir em vibrações simpáticas que o Ramirez (Camera) e o Contreras (Doble Tapa) já estavam fazendo algo interessante neste sentido e, começei a fazer um modelo ao qual chamei de Fundo Duplo que consistia em um segundo tampo perto do fundo e este tampo vibrava mais solto e simpaticamente com o tampo externo buscando favorecer as frequências fracas do violão tais como Eb, Bb, F, C. Fiz uns 12, 15 violões assim mas a quase infinita possibilidades de combinações me levou a parar já que como toda pesquisa há muito investimento (madeiras/tempo) e, em geral, os resultados almejados são obtidos lentamente, se bem que se aprende muito, mas muito mesmo, pois a Acústica é a área da Física menos estudada e lidamos com materiais (madeiras) inconstantes de uma peça a outra e sómente muitos e muitos anos de experiência vc sabe o que está buscando e como chegar lá, mas, ainda assim, não sabe tudo, ninguém sabe tudo. Era extremamente cacete para mim ficar fazendo a mesma coisa sempre.

Em 2000, seu trabalho foi reconhecido pela GAL (Guild of American Luthier), com a publicação de artigos de sua autoria e artigos de outrem falando da sua obra. Como você se sentiu nesse período? Como isso refletiu no seu trabalho?

José Romanillos e Roberto GomesNão foi em 2000 mas em 1992 quando participei de uma convenção do GAL em Vermillion, SD - EUA e fiz uma pequena palestra sobre madeiras alternativas brasileiras e a partir daí tornei-me membro do Guild, sendo palestrante convidado também na convenção de 1995 onde conheci o Romanillos, que era o convidado de honra da convenção e, naturalmente, artigos e entrevistas aconteceram. Os caras ficaram impressionados que uma pessoa do Brasil fosse um luthier de alto nível, falando um inglês fluente e com grande conhecimento de madeiras brasileiras ainda mais que naquele ano começara o embargo internacional ao jacarandá da Bahia (Dalbergia nigra). A década de 90 foi de ouro para a lutheria do violão erudito, a classical guitar, nunca vendi tanto e muitos violões foram para fora do país cobrando preços de 3,5 a 5 mil dólares e acho que a partir daí lutheria se popularizou muito sendo mais valorizada, respeitada e consumida, e o pior é que tem idiota por aí falando que a lutheria está, desde a época do Hauser I, ladeira abaixo !?!*# Nunca se fizeram tão bons violões sejam eles ortoxos ou inovadores. Óbviamente se seu trabalho é reconhecido e consumido vc se sente bem!

Um de seus modelos mais conhecidos é o modelo Spiritus. Como surgiu esse projeto? Você poderia descrevê-lo?

Como disse, os Fundos Duplo foram os primeiros violões experimentais e aí dei um tempo de alguns anos para assentar a poeira das pesquisas. Em 2001, quando já morando em Santa Catarina, tive uma namorada que é espírita e um dia ela me chega e diz que na noite anterior estivera conversando com um luthier. Achei estranho pois nesta época não tinha nenhum outro luthier de violões na Grande Florianópolis e aí disse-me que foi no plano espiritual. Olha, não acredito em bruxas mas que elas existem, existem, então começei a ler as seis ou sete folhas de papel que a moça havia escrito durante essa conversa e aparentemente não havia nada de revelador, pelo contrário, umas coisas que pareciam que não funcionariam mas, tinha diagramas e desenhos de violão que me surpreenderam pois ela não entendia bulhufas de violão/lutheria nem era desenhista exímia. Fiquei com os papéis e fui analisando-os nas semanas seguintes. Uma unica coisa que chamava muito a atenção era que o salto interno era totalmente diferente de qualquer coisa que havia visto. Era apoiado em sapatas longitudinais sobre uma tranversal e pelo o que o luthier do além havia lhe falado o fundo tinha que ser grosso algo em torno de 9mm! Deixei passar uns meses e aí como já andava de saco cheio da lutheria resolvi por em prática algumas idéias deste escrito e o primeiro violão (ainda com fundo/escala normais) tinha uma estrutura em círculos! E soava muito bem equilibrado, com um som gordo, doce e potente, expontaneamente batizei este experimento de "Spiritus". Apesar da estrutura circular funcionar, era uma grande consumidora de madeiras pois quase se gastava um outro tampo para executá-la, além da trabalheira toda. Resolvi mudar radicalmente o conceito fazendo algo de execução mais funcional com varetas longitudinais para evitar o colapso do tampo e algumas tranversais na área do cavelete para direcionar os tipos de frequências que almejava, como também a idéia de torção controlada na área do cavalete e finalmente fiz o fundo grosso com sapatas em cedro do Oregon (Thuya plicata). Foi um desafio de engenharia lutherística mas extremamente excitante e depois que já havia uma boa película de goma-laca no intrumento coloquei as cordas e, quase chorei de decepção! Estava muito chôcho, o som e a tensão das cordas! Fiquei p... da vida e saí do atelier pisando duro. Horas mais tarde voltei lá para subir a afinação das cordas novas e não acreditei no som, era outra coisa, as cordas estavam numa firmeza boa e o som era rico, equilibrado com corpo de nota a nota e, potente, tanto que uns dias depois alguns violonistas foram me visitar e não acreditaram no que ouviram, achavam que estava amplificado pois tinha muito mais som que um bom violão normal. O negócio da escala levantada é ótimo para tocar nas oitavas além da inclinação tirar mais energia do tampo e este primeiro Spiritus pleno acho que ainda está com o Zanon. A partir daí este modelo com fundo experimental passou a se chamar Spiritus XXI e o com fundo normal Spiritus XX. Fiz uns 15, 20 violões Spiritus, tem um até na Nova Zelândia!

O que o levou a mudar tanto de ateliês?

Olha, foi mais em busca de lugares mais aprazíveis para morar como também para contatos profissionais. Minas era ótimo, mas apesar de 14 anos lá sendo 10 como luthier com mais de 100 violões construídos, vendi sómente 6 violões para mineiros, a maioria ia para SP, RS, RJ e exterior. Depois fui para a Califórnia onde fiquei 19 meses e lá deu para ganhar dinheiro, se bem que o custo de vida era altíssimo, mas em 1 ano e 4 meses de trabalho fiz e vendi 20 violões. É um grande país os Estados Unidos, onde se encontram as melhores ferramentas, máquinas, madeiras, literatura da área e como gosto muito de ler, fiquei apaixonado pelas bibliotecas de lá e, não fiquei mais tempo porque tinha muito americano... (risos) Já Santa Catarina era estratégica pois uma das minhas melhores clientelas estava no Rio Grande do Sul e também a proximidade do Uruguai e Argentina com esse negócio do Mercosul e tal. Sem dúvida Floripa é a melhor capital brasileira para se morar, só que quando cheguei lá em 1999 violão clássico era inexistente, mas com o Mantovani por lá parece que está se desenvolvendo, já tem até bacharelado em violão pela UDESC. Fiquei um ano e meio na Ilha e depois me mudei para um sítio no continente pois a Ilha no verão fica um inferno com as hordas de turistas. Em termos de espaço e local foi o melhor atelier que tive.

O que o motivou a, no ano passado, aposentar-se da luteria?

Eu venho desde 2000 querendo parar pois os vernizes estavam me fazendo mal, além de que é um trabalho duro a lutheria de qualidade e nunca se ganha o que vc acha que vale, mas como não tinha outro ganha pão, fui engolindo a necessidade. Consegui contornar o problema dos vernizes com um luthier de violinos iniciante que começou a fazer para mim em goma-laca aplicada a pincel, um bom trabalho. O Luciano da Silva envernizou uns 20 violões para mim e no final do ano passado sua esposa me comunicou que ele havia falecido com menos de 40 anos de idade também por causa desta porcaria de vernizes.

Outra postura é que hoje o mundo tem mais violões do que se precisa. Você vê nas lojas da Europa, EUA e Japão com dezenas de violões à venda, bons violões de luthiers de renome e virou moda colecionar violão e estes colecionadores em geral não tocam quase nada e tem 20, 30, 40 ou mais instrumentos, então para se fazer um bom violão necessita-se de 4 tipos de madeiras = 4 árvores abatidas (claro que de uma árvore se extrai madeira para dezenas de violões) então vocês que moram em cidades não tem idéia da devastação que acontece nas matas brasileiras e não há IBAMA ou Greenpeace que contenha esse apetite de madeiras, de grana, são meros atenuantes, ainda que o consumo da indústria de instrumentos musicais nem se compara com a moveleira, é enorme o consumo então, literalmente, me recuso a usar madeiras recém cortadas, só plantadas (Pinus sp./ Eucalyptus sp.) mas sou favorável ao reciclado e no nosso país ainda se encontra, cá e colá, uma porta em cedro (Cedrela sp.) ou uma mesa em jacarandá (Dalbergia/Machearium sp.) mas nada para tampos e talvez na Suíça, Áustria, Itália e Alemanha possa se encontrar em demolições de casario antigo um bom Alpen fistche, abeto (Picea sp. ou Abies sp.) um Abeto rosso. Para completar os motivos, lidar com artista já é difícil e artista duro, miseravelmente mais difícil, mas claro que, como toda regra, há exceções.

Uma das razões que o violão clássico e a lutheria no Brasil ainda não vingou plenamente é porque, em geral, a relação comercial entre as parte interessadas é amadora, talvez fruto do caráter da anarquia organizada que impera neste país. Os caras, em geral, não pagam na data estipulada e, se bobear, ainda te enrolam, além de que pedem desconto, barganham com teu suor! Lutheria de violão é sangue, suor e lágrimas. Suor porque é feito a mão, sangue porque vira e mexe vc corta um dedo e lágrimas porque é uma novela para se vender um violão! Também, hoje, tem um monte de gente nova tocando violão e alguns até muito bem mas, tem uma mascaração... São tantas estrelas que nem dá para ver o céu! Anos atrás assisti um violonista de São Paulo tocar num concurso e até que tocava direito, mas era melhor que ele fosse fazer teatro ou dança pois era uma misencene só, que atrapalhava quem queria vê-lo e escutá-lo. Acho que pela própria singeleza do violão perante outros instrumentos eruditos, necessita-se ter um penacho bem maior e, infelizmente, as Artes exercidas profissionalmente são extremamente competitivas quando estamos numa extrema carência de maior cooperação.

Em resumo, perdi o tesão pela lutheria como profissão já que a matéria prima não são somente meras chapinhas de madeira, mas árvores, micro ecossistemas. Como sua extração é danosa e, principalmente, não há uma preocupação que se efetive um manuseio menos agressivo. Até que isso venha ocorrer, báu, báu, floresta, já eras! Agora a Dna. Lutheria como ofício, como artesania, é maravilhosa vc tirar som, dar vida sonora as madeiras, é pura alquimia! Então, foi um longo casamento com ela, tivemos 200 filhas (guitarras) e, no final, ainda nos amávamos mas, eu não a suportava mais!

Como você vê o panorama da luteria nacional que você está deixando, especialmente se comparado com o panorama que você havia encontrado quando entrou na profissão?

Bem melhor do que há 26 anos atrás. Quando começei em 1980 haviam o Suguiyama, o Vergílio que já trabalhavam, o Munhoz, o Abreu, o Mário Jorge, estavam começando e o Laurentino e o João Batista trabalhavam na Gianinni e hoje parece que tem mais de 80 luthiers de violão Brasil a fora, o que é muito bom para os violonistas mas, extremamente tenebroso para o meio ambiente, vão acabar com os poucos jacarandás em pé restantes! Levando-se em conta que é com 80 anos que um jacarandá jovem começa a dar toras com cerne suficientemente largo para fundos de violão e o único projeto atual para replantio de jacarandá da Bahia (Dalbergia nigra) é o da Florestas Rio Doce em Linhares - ES que começou a 30 anos atrás então, 2 gerações de luthiers não terão esta espécie extraida de forma sustentável e, mesmo assim, talvez a qualidade da madeira não seja tão boa como a silvestre. Um bom jacarandá é de 150 +++ anos...

E como você vê o panorama dos violonistas brasileiros?

Anos atrás o Turíbio disse que o Brasil, em termos de violão, é campeão peso-pesado no cenário internacional. Concordo. Hoje com o avanço da TI ficou totalmente acessível informações sobre esta área então só enriquece o conhecimento o qual reflete no tocar. Foi-se o tempo em que o violonista era um bicho-da-sêda e hoje já sai-se do casulo e voa-se. Sempre tivemos talentos e sempre os teremos mas, infelizmente, quase ninguém vive de concertos neste país e a maioria vive de dar aulas. O perigo é que pode chegar um momento em que teremos mais professores (desempregados) do que alunos! Somente cabe aos violonistas mudarem este panorama com campanhas agressivas de conscientização e formação do e de público. Agora, tem que ser de forma profissional, séria, eficiente, competente, atraente. Tem que acreditar que é a melhor e mais importante coisa do mundo!!! Volto ao ponto da cooperação para acabar com as panelas de fulano ou sicrano, pois estas são entraves sérios para uma melhora no meio de trabalho dos violonistas, além do que mostra uma ciúmeira mesquinha da insegurança babaca destes líderes de caçarolas. Corporativismo local não ajuda o geral. O violonista brasileiro ainda tem que sair do país para ter chances numa carreira de concertista.

Numa entrevista dada em 2000 para Thiago Magalhães, era possível ver um Roberto Gomes cheio de idéias e projetos: você comentou de escrever um livro sobre luteria, fazer atividades didáticas para fomentar a luteria nacional, e até criar um festival em Santa Catarina. O que mudou do Roberto Gomes de 2000 e o de 2006? O que motivou essas mudanças?

O livro e cursos sobre lutheria gerariam mais consumo de madeiras e como falei acima, hoje sou contra a extração de árvores nativas em qualquer lugar do planeta. Temos que reduzir, reciclar, reusar e recusar pois estamos de passagem nesta vida e somos responsáveis pelo o que deixaremos para os nossos filhos e netos, mas tenho escrito um livro sobre memórias e, quem sabe, um dia o publicarei. Quanto ao festival, já quase tinha fechado com o Oscar Gighlia e a Elena Papandreou e conversas com o Bellinati, Llerena, o Nicolas de Souza Barros e o Guilherme de Camargo, mas fiquei mal por causa dos vernizes e estava sem condições técnicas para nada, só para cuidar da saúde.

Ainda há esperança que você contribua para a luteria?

Olha, acho que fiz minha parte, minha contribuição para a lutheria nacional sugerindo alguns novos caminhos para a construção de um violão potencialmente melhor então cabe ao luthiers vindouros aproveitarem ou não estas idéias.

Como você gostaria que fosse o futuro para você?

Ah! Saúde, Paz, Amor e... mais tútú! Para todos nós!

Há algum assunto que você gostaria de tratar nessa entrevista que não foi tratado ainda?

Sim, obrigado. Plantem árvores!

Pra quem você daria um violão?

Doei 3 violões para prêmios de concursos. Um para o José do Carmo Silva, talentoso ex-aluno que mal tinha o que comer e, infelizmente, morreu jovem de problemas coronários. Recentemente doei um para a promisora violonista uruguaia Cecília Siqueira.

O que é pior que cortar madeira pra fazer palito de dente?

Cortar mata nativa de cerrado para fazer carvão para o churrasquinho do final de semana.

Qual é a pior desvantagem de ser luthier?

Ser luthier.

Qual é a maior vantagem de ser luthier?

Ser luthier.

Qual sonho você ainda não realizou?

Namorar a Luana Piovani (minha mulher vai me matar!)

Qual recado você deixaria pros visitantes do Violão.Clássico.Weblog?

Rir ainda é o melhor remédio!

Roberto Gomes, muito obrigado pela entrevista!

Contato: rm.gomes[ARROBA]terra.com.br

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...

×
×
  • Create New...