Jump to content
Sign in to follow this  
CarlosEdu

João Gilberto e o processo de harmonia no Brasil

Recommended Posts

Lyra e Menescal não vieram depois, eles eram contemporâneos de João Gilberto. O primeiro disco de JG em 1959 tinha 3 composições de Carlos Lyra. Menescal começou a carreira em 1957.

O problema dessa abordagem do Nassif é que ela acaba sendo incorreta por ser incompleta. A gente pode argumentar que antes de João Gilberto o Mário Reis já cantava com voz pequena, que Dorival Caymmi já fazia voz e violão, que Garoto já usava dissonâncias, etc. João Gilberto coloca tudo junto de uma maneira que ainda não se tinha visto na harmonia, na divisão e no canto.

Enfim, analisar cada item separadamente é um exercício cuja utilidade eu considero questionável.

Não tenho registro do Lyra e do Menescal tocando violão antes da gravação de Chega de Saudade feita pelo João, mas acho que eles estavam mais preocupados em tocar como o Barney Kessel do que em criar ou reproduzir uma batida semelhante à da bossa nova, consagrada pelo baiano. Eles declararam algo a esse respeito? Se sim, onde?

Acho importante analisar cada item separadamente (não é isso que se faz quando se divide uma música em melodia, harmonia, ritmo e letra?), até para ao fim se concluir, talvez com surpresa, que um todo inovador é resultado de partes não inovadoras.

Share this post


Link to post
Share on other sites

A inovação para mim é o que um artista consegue institucionalizar como legado.

Se formos entrar nos detalhes extremos, não há inovação que resista a uma boa pesquisa histórica.....

Share this post


Link to post
Share on other sites

Não sei se a gente tá se entendendo porque eu acho que é meio consensual que a música instrumental mais popular se baseia quase toda no desenvolvimento desse dois artifícios, que é a exploração dos voincings dos acordes e das nuances rítmicas da melodia.

Esse álbum, por exemplo, tem isso de sobra:

A primeira música é um 7/4 com uma harmonia muito simples (do tipo "So What", do Miles Davis) em que toda a graça harmônica está na distribuição sempre variada das vozes.

Ou se for o caso de uma coisa mais simples, cool e violonística, dentro da música instrumental, tem isso:

Minha curiosidade era exemplos específicos de canções e arranjos gravados por João Gilberto que tem os elementos que você acha que não foram explorados por outros compositores.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Não tenho registro do Lyra e do Menescal tocando violão antes da gravação de Chega de Saudade feita pelo João, mas acho que eles estavam mais preocupados em tocar como o Barney Kessel do que em criar ou reproduzir uma batida semelhante à da bossa nova, consagrada pelo baiano. Eles declararam algo a esse respeito? Se sim, onde?

Acho importante analisar cada item separadamente (não é isso que se faz quando se divide uma música em melodia, harmonia, ritmo e letra?), até para ao fim se concluir, talvez com surpresa, que um todo inovador é resultado de partes não inovadoras.

É só assistir o filme "Coisa Mais Linda". Em 32:45 Roberto Menescal fala das batidas que cada músico tinha na época.

Eu vou além do Dilson e digo Inovação é pegar elementos pré-existentes e arrumar de uma maneira diferente.

Em 15:00, o Sérgio Cabral faz uma boa retrospectiva interessante da evolução da harmonia na música brasileira.

Com certeza você pode analisar os itens separadamente, mas é como pensar em feijão, arroz e bife separadamente.

A graça vem quando você põe tudo junto. :)

Share this post


Link to post
Share on other sites

É só assistir o filme "Coisa Mais Linda". Em 32:45 Roberto Menescal falam das batidas que cada músico tinha na época.

Eu vou além do Dilson e digo Inovação é pegar elementos pré-existentes e arrumar de uma maneira diferente.

Em 15:00, o Sérgio Cabral faz uma boa retrospectiva interessante da evolução da harmonia na música brasileira.

Com certeza você pode analisar os itens separadamente, mas é como pensar em feijão, arroz e bife separadamente.

A graça vem quando você põe tudo junto. :)

Isso aí...

Edited by Marcos César

Share this post


Link to post
Share on other sites

Sobre a maneira de tocar violão pode ser melhor vista aqui:

Não vejo ninguém influenciado por isto.

Há que se notar que João faz uma fusão de elementos, que são mais antigos que ele, pra criar sua maneira de tocar. Se dizer influenciado por ele é dizer que leu Machado de Assis só no resumão do autor. Por isso nunca dá certo.

Edited by Amon

Share this post


Link to post
Share on other sites

Não tenho registro do Lyra e do Menescal tocando violão antes da gravação de Chega de Saudade feita pelo João, mas acho que eles estavam mais preocupados em tocar como o Barney Kessel do que em criar ou reproduzir uma batida semelhante à da bossa nova, consagrada pelo baiano. Eles declararam algo a esse respeito? Se sim, onde?

Acho importante analisar cada item separadamente (não é isso que se faz quando se divide uma música em melodia, harmonia, ritmo e letra?), até para ao fim se concluir, talvez com surpresa, que um todo inovador é resultado de partes não inovadoras.

Depois de 3 dias na mão pela GVT, de volta. Acompanhando por celular, mas é horrivel digitar assim ou no tablet.

Bom Eugenio já disse; qd postei lá atrás o documentário "Coisa mais linda", sendo o mais completo de tudo que assistir até hoje, sim, e o mais revelador, pois são os cara: Boscoli, Lyra(ex aluno de Garoto), Menescal, Nara etc, essa turminha estudava música, tinha condições e claro se atualizavam sobre o Jazz que era o estilo mais próximo ao que idealizavam para a harmonia e acordes; Vc não pode desconsiderar o jazz, uma vez que a harmonia funcional surge por causa deste, e seus pormenores, e na América do Norte. Outra coisa, essa turma, não só era super, hiper informada, como tinham relação no famoso Bar, com as fera de então, Jobim, Vinicius, ou seja, estavam na genesis da coisa e João sem esses, era apenas um garoto de 20 anos, vindo da Bahia/Juazeiro, morando na casa de uma irmã e acabando de sair do vicio da maconha. Isso está no livro (eis aí, certamente João leu o livro do Ruy e este diz que entrevistou os criadores), bom, se fosse um livro de amizade pularia essa parte heim? Os citados alem de fazerem parte, promoveram os primeiros eventos oficiais da bossa nova em colegios... E isso foi o inicio deles e de João.

Então é preciso mesmo examinar na origem para não super valorizarmos JG, e desconsiderarmos tudo a sua volta, falei atrás, que no mesmo livro, Baden que era super estudado(ex aluno de Jayme Florence), explica que nas horas vagas no famoso Bar, ensinava muito lance de harmonia para João; Em todos os livros, e artigos que li, e nesse livro, é dito pelo próprio João que ele chegou ao Rio apenas com o conhecimento de um livrinhos de acordes e harmonia simples. Ou seja, seu avanço foi fruto de aguçada intuição, observação ao contexto, aos grandes do Samba passado, ouvindo os mestres que ele viria regravar com sua maneira diferente de expor os voicings, de pensar a voz separadamente e ao mesmo tempo intrínseco a sua personalidade, seu violão, seus maneirismo, e seus testes a cada madrugada com amigos. Lembro de a Miucha dizer que em algum lugar que ele passava madrugadas repetindo dezenas de vezes a mesma música como quem estivesse procurando algo mais... Se é fato agora que João, era um dos menos estudados, isso não quer dizer o menos entendedor de seu instrumento, isso elucida o fato de ele ter sim absorvido muito, pelas audições de sambas, choros, do próprio Garoto, Baden etc, mas não se tornou copia, não imitou, conseguiu se tornar João Gilberto.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Qd entre 2004-2009 recebi 10 CDs de João de um antigo patrão, eu ouvia em devoção, analisando, pois desde Geraldo Azevedo, Djavan, Caetano e Chico, sempre fui fã das belas harmonias, e por ser relativamente novo, acabei que descobrir João um pouco mais tarde, comprei o livro supracitado "Chega de Saudade", li varias entrevistas, artigos escrito sobre a Bossa Nova e seus frutos "Edu, Chico, Caetano/que verteram-se para outros caminhos e que caminhos geniais"; por anos coletava tudo que podia sobre JG, fiz contato aqui com Aderbal Duarte, li os relatos desse considerado por João, quem melhor compreende sua maneira de tocar.

Mas resumo dizendo, João não seria sem os demais, Nara, Boscoli, Menescal, até um certo ponto, mas agora afirmo, não seria sem Jobim, e Vinicius, 90% dos primeiros CDs, eram musica desses genios, com harmonias de Jobim.

Por anos procurava videos inteiros de João, e entre 2013-2014 me surpreenderam, baixei, coloquei em midia e cataloguei, eis alguns; já tem mais.

CATALOGAÇÃO DE SHOWS DE JOÃO GILBERTO NO YOUTUBE

CarlosEdu /Arquivos Pessoais

01 Joao Gilberto live concert

02 João Gilberto Teatro Castro Alves, Salvador 1978 (completo, full concert)

03 João Gilberto JGPPO Grandes Nomes 1980 completo full concert)

04 João Gilberto Festival de Águas Claras 1983 completo full concert)[1]

05 João Gilberto Especial TV Cultura 1983 (completo full concert)

06 João Gilberto Bahia a Roma RAI 1983 completo full concert)

07 João Gilberto Live in Montreux 1985 (completo)

08 João Gilberto Antonio Carlos Jobim 1992 completo full concert)

09 João Gilberto ao vivo no Tom Brasil 1997 completo full concert)

10 Caetano e João Gilberto

11 João Gilberto 2008 HD

Que me falando assim de João, não entenderá de todo que é parte de uma busca infinita por tudo de bom na nossa música, por outro lado sou apaixonado pelo violão clássico, hoje com quase 1000 CDs e já doido para comprar os novos do Zanon, Edson... Mas há toda uma boa música nossa, na raiz que precisa ser respeitada. Minha esposa não suporta até hoje a voz de João rsss.

Edited by CarlosEdu

Share this post


Link to post
Share on other sites

Create an account or sign in to comment

You need to be a member in order to leave a comment

Create an account

Sign up for a new account in our community. It's easy!

Register a new account

Sign in

Already have an account? Sign in here.

Sign In Now
Sign in to follow this  

×